A ascensão da extrema direita [Duarte Correa]

Ultra esp

OPINIÃO| A atual ascensão da extrema direita conta com elementos que se assemelham com o aparecimento dos fascismos europeus no primeiro terço do século passado, mas não devemos proceder a uma análise mecanicista que equipare a situação atual com a de há cem anos.

Sendo certo que também hoje uma grave crise económica do capitalismo leva o sistema a fomentar estas opções, não podemos evitar duas características próprias e atuais: na maioria dos casos, a ascensão da extrema direita é via eleitoral e não emerge como resposta a um movimento operário forte, organizado e firme ideologicamente.

Olhando agora para a Europa, temos os governos de Hungria, Polónia e Ucrânia dirigidos por uma extrema direita com presença noutros sete governos e em 17 parlamentos estatais; e desde há um ano, o norte-americano Steve Bannon, que foi chefe de campanha de Donald Trump, tenta coordenar estas organizações por meio de uma entidade chamada O Movimento.

Seria muito simples designer todos esses movimentos de fascistas ou neofascistas; alguns sim o são, nomeadamente no caso da Ucrânia, onde o golpe de estado de 2014 instaurou um regime  ditatorial com importantes elementos neofascistas e neonazis, regime apoiado pelos EEUU e pela União Europeia. Mas de outros não sabemos as derivações que terão no futuro, e hoje podemos englobá-los no conceito amplo de extrema direita.

Ao contrário de há cem anos, hoje, a ascensão da extrema direita não é uma resposta do capital a um auge geral das organizações políticas e sindicais e das ideias de esquerda; o capital aproveita as renúncias e o desarme ideológico produzido, fundamentalmente, desde os anos noventa, para desencadear uma ofensiva, de eliminação de direitos e na recuperação da percentagem de mais-valia que teve de ceder à classe trabalhadora e ao conjunto das classes populares depois da IIª Guerra Mundial, devido à força das organizações políticas e sindicais de esquerda e ao medo da influência soviética e do ideal socialista.

O capital e as fundações e laboratórios de ideias que preparam, atualizam e divulgam o seu discurso levam décadas a inocular-nos a sua ideologia, com a tese do fim da história e das suas derivações, com o fomento do individualismo e da figura do vencedor, com a vulgarização do conceito de classe média e a manipulação da história, fazendo desaparecer dela os esforços colectivos que permitiram os avanços sociais que hoje usufruímos. Isto avança de forma exponencial no momento em que os meios de comunicação e as redes sociais adquirem um papel central nas nossas vidas, transformados em arma estratégica com capacidade para moldar opiniões, criando a denominada pós-verdade, de que são exemplos paradigmáticos a invenção de governos que apoiam o terrorismo global e a ideia de estarmos ameaçados pelo diferente, personificando-o na imigração, isto é o mesmo que dizer, em pessoas expulsas das suas moradas por causas económicas e de guerras de rapina.

A crise sistémica que explodiu em 2008 tinha o campo fertilizado para dar o grande salto na ofensiva de destruição de direitos empregando as denominadas políticas de austeridade, políticas que em muitos estados não tiveram pela frente uma reação firme de organizações políticas e sindicais de esquerda, quer pela sua debilidade, quer por terem assumido o papel de “gerentes do sistema” e o “discurso do mal menor”. Perante os cortes, sectores importantes da classe trabalhadora e dos segmentos que se consideram classe média, encontram, nos falsos discursos anti-sistema e anti-stablishment da extrema direita, a resposta que procuram para dar uma pancada na denominada classe política responsável pelos seus sofrimentos. A evolução da extrema direita em França é exemplo paradigmático deste processo.

Face ao desconcerto existente, devemos, em primeiro lugar, estar conscientes da situação para  a encararmos com as medidas necessárias, medidas que devem basear-se no combate ideológico, na denúncia das atuações da extrema-direita e no fortalecimento das nossas ferramentas, que são, fundamentalmente, as organizações sindicais, políticas e sociais que lutam por construir uma sociedade alternativa.

Este artigo foi publicado inicialmente na WEB do SPRC

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s